sexta-feira, 25 de março de 2011

aperta, afrouxa


Sei que a probabilidade de abrir um saco de açúcar e não derrubar nenhum grão é nula. Eu me esforço para pendurar a toalha no varal e não esquecê-la em cima da cama, mas esqueço. Não reparo se o copo está na beirada da mesa e vai cair no chão, e frequentemente ele cai.
Eu não tenho respostas.
Acho que é um mundo muito terreno para seres líquidos, e há pop-ups por todos os lados: a moça atravessando a rua, o anãozinho que foi pintado de laranja, a jujuba caseira do pastifício, os enfeites novo da sala, o relógio que ainda não consertei.
Não vim preparada para a vida prática, sou filha de pai sonhador. Mas tenho uma mãe prática, e sei que preciso pagar a conta de luz e limpar a lixeira. Faço. Só tenho um ritmo de borboleta: ziguezagueando...
Minha sorte é que sou cercada de pessoas doces e delicadas que gostam do meu mundo.
Tenho quem me cuide, mas sei bem que quem carrega minha enxada sou só eu.
E ajuda muito ter nascido com um otimismo que enche dez copos de uma só vez.

6 comentários:

isabela disse...

tão lindo... se você soubesse como SEMPRE me inspira, nana... <3

nana tucci disse...

Isa,
Se você soubesse como me dá força essa sua inspiração!
Obrigada, obrigada, obrigada. De corazón.
Beijo grande

escalafobetch disse...

"Tenho quem me cuide" acho que entendo, tento saber ser doce com essas pessoas que me ajudam a voltar pras "realidades práticas" quando preciso. Me identifiquei ^^

ELLIOT disse...

Já eu, na altura das minhas 4 décadas e qualquer coisa, gostaria de ao menos um dos seus copos de sonho.
Os meus sonhos se esvaíram há um tempo sabe.
Poderia me emprestar???
bjos muito malevolente, muito gostoso

nana tucci disse...

Todos os copos do mundo para a bela Li!!!!
Estamos juntas, querida.
Beijo estalado

Juvenal disse...

e eu que sou um índio feito de nuvem