quinta-feira, 17 de setembro de 2009

esta maçã está verde.


Furtei do blog da Mi, enviei para pessoas queridas (como às vezes faço quando um poema faz cócegas), e aconteceu uma coisa rara: quase que imediatamente todas me responderam, agradecidas. E, em pequenas homenagens que nem imaginam como foram monstruosamente importantes, reproduziram essa quase oração desta Célia-bromélia-amarela-bolo-de-fubá.
Que more aqui também.


"Um dia a gente acorda e percebe que mudou, depois de levar muita porrada e ter os ossos moídos junto aos sonhos.

Um dia a gente acorda e percebe que nem toda mudança precisa ser amarga,
embora o que nos mova quase sempre seja a dor, esta parceira do imprevisto.

Um dia a gente acorda e descobre do lado do avesso um espaço zen, uma espécie de paz interior que nos adula e acaricia,
como se a mãe voltasse a nos pegar no colo.

Neste dia, inexplicavelmente,
decidimos que o melhor a fazer
numa manhã é plantar um girassol
só para ver, dali a um tempo,
sem angústia, dilema ou rejeição,
que a vida dança a dança dos dervixes…
e que a nossa entrega à vida
é um ritual sem hoje nem amanhã.

A felicidade pode ser o ato de movimentar -se
como os girassóis, para lá e para cá,
só pra ver onde começa e onde termina o dia…
sem pressa.

Os acontecimentos não nos pertencem."

(Quase uma oração, de Célia Musilli)

Foto: Marcos Mendes

5 comentários:

katia michelle disse...

linda! saudade de vc, nana. ainda por cima pintei "teu" quarto de verde-maça. só falta vcs. bj grande.

Rêveur disse...

Achei lindo, e peguei "emprestado" pro meu blog.
Claro, sem esquecer dos créditos né?
Adoro o seu blog, beijoo

isabela disse...

amei, repostei e também... ah, tá lá, tá lá! :P

Georgia disse...

nana! amei... sbe qdo parece q foi escrito pra vc?
saudades, nega. não some assim pra sempre!
beijocas

Tata disse...

o primeiro presente que vc me deu foram sementes de girassol!!! Gi! GRacias por tudo sempre!