quinta-feira, 19 de março de 2009

Pig


Quando eu topava o dedão do pé – porque era assim que a gente falava, ‘topei o dedããããão!” – era ela que fazia o band-eid dar a volta no dedo, com sua mãozinha fininha de macaco, e dizia: “Esquece da dor que ela passa”. É mentira. Tudo o que eu disser abaixo é mentira porque a verdade é que eu distorço muito o passado, ela diz. A verdade é que ela tem uma memória filha da puta de elefante. Qué hacer? Lembra até do seu aniversário de 1 ano, lembra tanto das coisas que acha que foi uma criança malvada (sábio chip que é naturalmente desativado de uma fase para a outra da vida). Está certa, eu distorço mesmo o passado, invento que o nome do vendedor de sonhos era Gordo, não sei a diferença entre confete e serpentina.

Mas como não se pode deixar de lembrar, assim como não se pode evitar que às vezes o nó na garganta aperta feito sandália de salto alto de casamento (só que a sandália a gente controla quando vai tirar), hoje, dia em que, há 23 anos, ela chegava aqui, eu lembrei.

É minha amiga desde a barriga.

Ela é loira e tem olhos verdes-azuis, uma calma de mãe, toma o banho mais demorado do mundo, ouvia Cartola desde nenê, costuma derrubar um pouquinho de sal na mão nos restaurantes e ama a Armênia. Nasceu no dia de S. José e dos Gênios da Humanidade. Quando fraquejo, lembro de como ela é valente e seus e-mails têm o mesmo efeito do pó da bruxa que a gente jogava em cima da outra na praia.

Desejo que todos os dias ela durma embalada pelos sinos da canção de Keren Ann, com a sensação de que está levando a vida com amor, porque o resto é firula. Agradeço. E, na posição de irmã de alma, exijo o que os só muito atrevidos e um tanto mal aprumados exigem: o Para Sempre, esse duende cor-de-rosa.

Eternamente Poly, de madeira e roxa.

4 comentários:

Pig disse...

De madeira e roxo. Dá para usar como espelho, na falta de um apropriado. Como pode, né?

nana disse...

Como pode ser loira? jajajaja

Cláudia disse...

Nana querida,
Que delícia me lembrar do dia em que tirei esta foto. Desde bebês, você e Paula foram muito amigas e cúmplices nas farras
e brincadeiras. E o tempo passou... e a amizada continua.... Que benção!1!! Polly querida você é muito especial. Parabéns!!!
bjos
Claudia

manô disse...

Pessoa mais linda, Que delicia ouvir palavras de um passado, que me faz resgatar memórias, imagens e cheiros....... E que ainda existe tão vivo dentro de mim.... Amo